TRADUTOR

Seguidores

domingo, 31 de agosto de 2008

DIÁLOGO COM UMA PRETA VELHA


ENTENDENDO A LIBERDADE



Dia desses estava pensando sobre a liberdade que existe no templo religioso que eu freqüento. Explico:



A Entidade espiritual de chefia do templo, apesar de seu médium seguir uma determinada vertente da umbanda e de aplicá-la na forma de funcionamento e de dinâmica de trabalhos do cujo, não inibe e nem proíbe de forma nenhuma que seus filhos de fé venham a estudar outras vertentes da umbanda.



Estava mesmo a divagar tentando entender o porquê da Entidade chefe permitir o acontecimento deste tipo de situação no templo, por que a meu ver muitas vezes a pluralidade não significa obrigatoriamente conhecimento e evolução ordenados.



Eu estava a pensar, pensar e pensar quando de repente, numa espécie de sonho acordado, eu me vi na frente de uma negra velha, que estava numa cadeira de balanço a se mexer para lá e para cá.

 Sem pensar duas vezes ajoelhei-me na sua frente, cruzei o solo na minha frente e me atrevi a lhe dizer:



A bênção Vovó.



Zambi que lhe dê luz e forças, mas pode ficar de pé, zifio.



Sim senhora.



Suncê é bastante curioso e perguntador, não é zifio?



E bastante “quadrado” eu respondi:



É vovó…



Essa nega véia pode fazer uma pergunta pra suncê?



Mas é claro, sim senhora!



Zifio, onde é que está a liberdade?



A liberdade? Sinceramente eu não sei.



A liberdade está no dinheiro?



Penso que não porque existem muitos ricos que encontram-se encarcerados no materialismo.



E estará ela na pobreza, zifio?



No meu modo de ver não porque existem muitos pobres, materialmente falando, que se encontram presos às reclamações, insatisfações e desesperanças do seu dia-a-dia.



E por acaso ela estaria no amor?



Acho que não porque existem muitas pessoas com amor de mais ou de menos por alguém, mas que se encontram presos ao desamor por si próprias.



Então zifio, onde está a liberdade?



É como eu lhe disse vovó, sinceramente eu não sei?



Como não zifio se suncê acabou de responder pra esta nêga?



Eu?



Claro, não foi suncê que acabou de dizer que o dinheiro e o amor não libertam ninguém se por dentro os zifios se sentirem presos a visões deturpadas sobre qualquer um dos sete sentidos da criação divina que são: conhecimento, lei, justiça, fé, evolução, amor e vida?



Eu disse isso vovó?



Claro, suncê não acabou de dizer pra nêga que ter alguém para amar necessariamente não torna o amante livre se ele estiver preso ao desamor por si próprio?



Sim.



E isso não quer dizer que este amante encontra-se com a visão deturpada no que diz respeito ao divino sentido da criação divina que é o amor?



Sim.



Então suncê respondeu mesmo pra nêga onde é que tá a liberdade.



Como assim?



Ora zifio a liberdade tá dentro de suncês, na luta que ocês deve fazer a cada dia pra se libertar de seus vícios, mazelas, imperfeições e erros no que diz respeito à Lei Maior e à Justiça divina.



 A liberdade é questão de suncês procurar conhecer e praticar cada vez mais as verdades sobre a lei de amor e caridade.

 É como disse o Homem grande da cruz né zifio: “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará".



É verdade vovó.



Se suncê sabe que é verdade, porque estava questionando a forma como o mano que é o chefe espiritual da casa de caridade que suncê freqüenta lida com a maneira como os cavalinhos, que é seus filhos de fé, busca o estudo e o conhecimento sobre a religião que suncês professam?



Eu não estava questionando, sabe vovó, estava querendo é entender.

 E quem não entende questiona para que possa alcançar entendimento, não é?

 E eu visivelmente envergonhado e boquiaberto com a sabedoria daquela Entidade amiga respondi:



É vovó.



Não se envergonhe nunca de querer questionar o que não entende porque todo questionamento que busca um aprendizado sobre as coisas de Zambi é notadamente válido.



 Só não se esqueça que o conhecimento de muitas coisas só acontece com o tempo e que o conhecimento de outras leva tanto mais de tempo que uma encarnação não é suficiente para aprender.

 Peça sempre ao Criador que lhe dê sabedoria para discernir uma situação de outra e humildade para aceitar o que ainda não for lhe permitido conhecer.



Sim senhora, vou procurar fazer minhas preces cada vez mais pedindo a sabedoria e a humildade para minha vida.



Muito bom zifio e Zambi que lhe proteja e lhe guarde.

 Agora zifio responde pra esta nêga véia: um copo com água possui qual líquido em seu interior?



Com todo o respeito do mundo que tenho a toda e qualquer Entidade espiritual, mas esta pergunta da vovó parecia ter a resposta tão óbvia que eu comecei a pensar se ela estava deixando de falar coisa com coisa.

 Mesmo assim, e com todo o respeito eu lhe respondi:



Água.



E se suncê derramar esta mesma água em cima de uma mesa, qual líquido você verá derramado na mesa?



Água.



E se suncê retirar a água da mesa e jogá-la no chão, qual líquido estará derramado no assoalho?



Água.



E por último zifio, e se suncê passar um pano no chão e retirar toda a água, qual líquido estará no pano?



Água.



A mesma água que estava dentro do copo, não é zifio?



Isso.



— Suncê deve tá achando que por tanto falar em água, ou nêga véia é doida ou então tá morrendo de sede, não é zifio?



Meu Deus, como eu ri neste momento.

 Ri mesmo, ri de doer o abdômen e pensei comigo mesmo: Meu Deus, como tua criação é perfeita!!! Que conversa maravilhosa e que Entidade maravilhosa!!! E só depois deste breve, mas sincero agradecimento foi que eu olhei para a vovó e respondi.



Olha vovó para ser sincero com a senhora eu devo dizer que pelo fato de não estar entendendo aonde a senhora quer chegar com esta história de água eu cheguei a pensar mesmo que a senhora não estava dizendo coisa com coisa.



É zifio muitas vezes a ansiedade faz suncês pensar e até mesmo dizer coisas bastante malcriadas.



Olha vovó, a senhora me perdoe é que eu só quis ser sincero e…..



Eta zifio essa nêga véia não tava falando de suncê não.

 Na verdade com toda essa história de água esta nêga quer explicar pro zifio uma coisa que pra suncê entender de fato, nêga tem que fazer mais uma pergunta: zifio, seja no copo, na mesa, no chão ou no pano, em algum momento a água deixou de ser água?



Não.



Então zifio, suncê pôde perceber que a essência, que é a água, não mudou; o que mudava era a forma da água porque ela sendo um líquido tinha que se amoldar aos locais em que era inserida; assim, dentro do copo a água estava na forma de copo, no pano a água estava em forma de pano e o mesmo acontecia com a água em cima da mesa e no chão, certo?



É verdade.



Então zifio, entenda que com as vertentes da umbanda a mesma história de essência e forma também se aplica, entende?



— Mais ou menos.



Nêga véia então tenta explicar pra suncê: zifio ao fundar na terra a religião de umbanda o mano Sr. Caboclo das Sete Encruzilhadas fez a melhor definição sobre a essência desta religião que poderia existir: “umbanda é a manifestação do espírito para a caridade”.

 A caridade zifio, foi, é e sempre será a essência desta amada religião que suncê professa; mas a forma pela qual esta essência se mostra zifio é muito variável.



Pra nóis aqui no plano espiritual zifio não interessa a forma, nóis tamo é preocupado com a essência.

 Pra nóis não interessa a forma da umbanda: se ela é umbandaX, umbandaY ou umbandaZ; pra nóis o que interessa é se a prática e manifestação desta prática umbandista leva única e exclusivamente a caridade e ao “religare”(volta dos filhos para Deus) dos filhos de fé com Zambi nosso Pai.

 Entendeu, zifio?



Sim senhora.



E o mano que é o chefe do templo religioso onde suncê freqüenta é ancestralmente um ordenador da fé; e o que importa pro mano zifio é se suncês estão encontrando a ordenação da fé de suncês através da essência da umbanda que é a prática da caridade e se isso acontece zifio, o mano tá pouco se importando se um cavalinho que tá fazendo a caridade no templo religioso estuda a umbandaX, ou se outro cavalinho faz curso da umbandaY.

 Pro mano e pra nóis que suncês chama de Entidades isto são só rótulos e rótulos só servem para indicar conteúdos.

 Agora se o rótulo de um cavalinho que faz estudadô de umbanda designar como principal conteúdo deste a essência da caridade, então pra nóis e pro mano tá muito formoso.

 Entende zifio?



Sim senhora.



— Agora o que suncês que são cavalinho, que faz estudadô de umbanda disso e umbanda daquilo não pode e nem deve esquecer é que o mano que chefia os trabalhos do templo umbandista que suncê freqüenta vem preparando o cavalinho dele desde a ancestralidade para que exerça a divina e árdua tarefa de ser sacerdote e para que administre o templo da exata forma com a qual ele vem sendo administrado; e se o cavalinho dele encontrou seu “religare” com o Divino Criador através do estudo e prática no templo religioso da umbandaX, então suncês demais cavalinho têm a obrigação de, minimamente dentro do templo religioso, estudarem, trabalharem e procurarem a ordenação da fé de suncês através da vivenciação e prática da forma umbandista que o sacerdote do templo que vocês freqüentam também adotou que, no caso, é a umbandaX. Entende zifio?



Sim senhora.



Pois então pratique e respeite isto que esta nêga pede a suncê, pra que suncês também sejam respeitados.

 Entende?



Sim senhora.



— Respeite sempre o espaço religioso e a forma de trabalho do templo que você freqüenta.

 São os cavalinhos que têm de se adaptar a forma de ser de um templo religioso e jamais, e sob nenhuma condição, o oposto.

 Agradeça sempre a Zambi pela liberdade que existe no templo em que você freqüenta, entenda que esta liberdade exterior que existe para que suncês possam estudar da umbanda a forma que mais agrade suncês, nada mais é do que um jeito da entidade que chefia o templo permitir que cada um dos zifio possa alcançar a verdadeira liberdade, que é aquela que leva suncês ao conhecimento e a prática cada vez mais intensas sobre as leis de amor e caridade. Entende?



Sim senhora.



Use esta liberdade com sabedoria e respeitando as normas e a forma de trabalho do templo religioso que suncê freqüenta, buscando sempre a fraternidade e o companheirismo com os seus irmãos de fé sem jamais promover a divisão neste espaço sagrado.

 Jamais se esqueça zifio que todo estudo relacionado às essências das coisas sobre o divino, mesmo que sejam de formas diferentes, serve tão somente para a união cada vez maior dos filhos de fé e jamais para promover o separatismo.

 Entende?



Sim senhora.



Deus é amor.

 O amor une.

 A união liberta.

 A liberdade nos torna responsáveis pela propagação deste abençoado amor que é a caridade.

 Pouco importa a forma, importante mesmo é ao próximo fazer o bem.

 Entendeu zifio ?



E eu, com lágrimas nos olhos respondi:



Sim senhora.



Então saravá, zifio.



 Fique na força e na luz de Zambi nosso Pai.



Saravá vovó de meu coração, vá com Deus.



Gente, não sei precisar por quanto fiquei neste “sonho acordado” , só sei que quando dele eu despertei meus olhos estavam realmente banhados em lágrimas.

 Foi a partir daí que eu me pus a pensar: cada linha de trabalho na umbanda tem o seu encanto e merece todo o nosso respeito, agora dos nossos amados pretos-velhos eu sou “fã de carteirinha”.

 Como é que pode?

 Perto deles eu só sinto vontade de evoluir, evoluir, evoluir e evoluir.

 Quando penso que a evolução é difícil e me sento perto de um deles eu consigo transmutar este pensamento e a achar que é tão fácil, tão fácil.

 Para mim Eles não são melhores que nenhuma outra linha de trabalho da umbanda, mas são os que mais despertam em meu íntimo o desejo de evolução.

 Só mesmo eles me fazem sentir tão cativo seus e ao mesmo tempo tão liberto, mesmo que momentaneamente, de minhas imperfeições.



Liberdade!!! 

Foi devido à incompreensão sobre este divino sentimento que obtive a oportunidade de temporariamente entrar em contato com um ser espiritual desta divina falange.

 E eu, que de alguma forma, até já me sentia livre, com os esclarecimentos, passei a entender melhor a verdadeira liberdade e, assim, a me sentir mais livre ainda !!!



Saravá a liberdade !!!!



Saravá a falange dos pretos-velhos !!!!



Saravá a Pai Tomé !!!!



Saravá ao Senhor Águia branca !!!



TEXTO ELABORADO POR PEDRO RANGEL DE SÁ



fonte: http://pedrorangelsa.blogspot.com/2008_01_01_archive.html

2 comentários:

  1. TAMBEM SOU UMBANDISTA E RESPEITO A TODAS AS LINHAS DO LOCAL QUE VOU. MAS A LINHA DOS PRETOS VELHOS É LINDA DEMAIS E ME SINTO MUITO MELHOR QUANDO TENHO A OPORTUNIDADE DE ESTAR COM ELES E APRENDER. ELES ME TRAZEM MUITA PAZ E ALIMENTO MINHA ALMA COM SEUS CONHECIMENTOS. SARAVÁ.

    ResponderExcluir
  2. Queria saber como posso identificar a preta velha que apareceu em meu sonho...
    Ela era negra e magra, não conversei diretamente com ela, mas ela estava cuidando de mim

    ResponderExcluir

SEJAM BEM VINDOS FICAMOS FELIZ COM SEUS COMENTÁRIOS QUE NOS INCENTIVAM E ACARINHAM NOSSOS CORAÇÕES